A ROMU (Ronda Ostensiva Municipal), divisão especial de combate ao crime da Guarda Municipal de Hortolândia, criada em 2016, e que em 2017 chegou a receber do atual prefeito Ângelo Perugini 2 novas viaturas Chevrolet Trailblazer preparadas para realizar ações de combate à criminalidade e atuar em conjunto com a Polícia Militar, não possui hoje nem um dos carros para o trabalho efetivo.

De acordo com denúncia realizada pelo GM Fábio FRANK Freire Rosa em vídeo postado em sua rede social nesta madrugada de quarta feira, a ROMU está sem nem uma viatura especial para realizar as operações.

Abaixo o vídeo publicado pelo guarda municipal:

Especificamente, o GM Frank narrou algumas condições e situações passadas pela Secretaria de Segurança perante o Governo, e também pontuou o ocorrido com as únicas duas viaturas:

1° Viatura
O GM Frank explicita que no começo deste ano em questionamentos feitos via WhatsApp ao Secretário de Segurança da prefeitura Dr. Luiz Leite de Camargo, o mesmo teria dito que reconhece o importante trabalho do grupamento no combate ao crime na cidade, mas que a prefeitura estava em contenção de despesas e o Governo teria ordenado a ele que a pasta cortasse verbas, e que seria uma das viaturas da ROMU (que são alugadas) que seriam anuladas do efetivo trabalho.

2° Viatura
No início deste mês, a única viatura da ROMU em operação, veio a ser acometida por problemas mecânicos, e até a presente data não retornou aos trabalhos da Guarda com os devidos reparos feitos, deixando a equipe de operações especiais sem um meio de locomoção equipada específica para a atividade fim do grupamento.

Entramos em contato com o setor de imprensa da Prefeitura Municipal de Hortolândia, e em NOTA OFICIAL ao O Expresso de São Paulo ela contestou a afirmação do GM Frank sobre a viatura ainda estar quebrada e salientou:

“A Prefeitura de Hortolândia informa que a viatura já foi consertada e o patrulhamento está normal na cidade. A área de segurança está entre as prioridades da Administração Municipal e faz parte do PIC (Programa de Incentivo de Crescimento), que prevê investimentos de cerca de R$ 400 milhões em mais de 100 obras e serviços, em todas as áreas do serviço público. O objetivo do programa é promover o desenvolvimento urbano, ambiental, social e humano para que Hortolândia cresça com planejamento e sustentabilidade nos próximos 30 anos.”

 

A nota não esclarece o questionado pela reportagem sobre o corte de gastos e redução de duas para uma viatura da ROMU.